Game of Thrones 07×01: Dragonstone – Vingança, retornos e promessas para a temporada

“Se deixar um lobo vivo, as ovelhas nunca estarão seguras.”

(Contém spoilers do episódio)

O inverno chegou – em todos os seus sentidos possíveis -, e a série mais comentada e aguardada dos últimos anos retorna para sua penúltima temporada em um episódio que resgata elementos das primeiras temporadas de Game of Thrones e ilustra os rumos que a série tomou, ao mesmo tempo em que nos dá uma dimensão de onde se encontra cada peça desse intrincado tabuleiro de fantasia e de intrigas.

A sétima temporada já começa com uma impactante cena de abertura em que Arya (Maisie Williams) vinga o Casamento Vermelho e acaba com boa parte da família Frey. A sequência é de fato muito bem executada e traz o regozijo necessário aos fãs que tanto esperam uma revanche para os Stark. Mas em termos de roteiro, continua sendo muito conveniente e exagerado que Arya tenha aprendido todos os truques da complexa e assustadora arte dos Homens sem Rosto e os execute tão perfeitamente.

A jornada da mais jovem dos Stark, no entanto, ganha camadas mais interessantes em seu encontro com os jovens soldados Lannister – incluindo o personagem do cantor Ed Sherran, que interpreta uma bela versão de Mãos de Ouro, uma das canções que aparecem nos livros. Ao perceber a humanidade em seus inimigos, seu cansaço e seu desejo de voltar para casa,  Arya reencontra sua própria humanidade e resgata – ainda que momentaneamente – as camadas mais cinzas e dúbias que permeiam todo o universo criado por George R. R. Martin.

“E um dia, olham ao redor e percebem que todos os seus amigos e familiares se foram, que estão lutando ao lado de estranhos, sob um estandarte que quase nem reconhecem”. – O Festim dos Corvos

Esse sentimento de cansaço e abandono depois de tantas guerras é acentuado pela chegada do inverno, mostrada de forma bastante tocante na cena envolvendo o Sandor Clegane (Rory McCann) e a Irmandade sem Bandeiras, que consegue, mais até do que o assustador vislumbre dos Caminhantes Brancos e seu exército dos mortos, mostrar a implacabilidade dos tempos sombrios e frios que se aproximam de Westeros.

Em Dragonstone, o retorno a aspectos mais característicos das primeiras temporada também pode ser percebido nas conversas de Jon e Sansa e de Cersei e Jaime,  que retomam o tom mais político e as implicações mais complexas das decisões que são tomadas em Westeros.

No caso dos Starks, fica claro logo de cara porque Sansa (Sophie Turner) deveria ter sido a verdadeira Rainha do Norte. Acostumada e viver (e sofrer) anos nas mãos de um monte de gente inescrupulosa porém esperta, a mais velha dos Starks está mais habituada aos melindres das questões políticas e logo percebe que Jon Snow (Kit Harington) segue sem saber de muita coisa.

Mesmo tendo sido esfaqueado e traído justamente por não saber lidar com questões mais sutis, Jon escolhe fazer o que julga correto dentro de uma lógica que preza por uma honra inocente, mas que não pensa nas implicações futuras. (Não que ele devesse matar as crianças Umber e Karstark, mas era bem mais fácil e sábio – dentro dos padrões de Westeros – colocá-las como protegidas de outras casas fiéis os Stark e com mais condições de defender os castelos). Resta agora saber se Jon vai ouvir  Sansa principalmente no acertadíssimo conselho de ser mais inteligente que Ned e Robb.

Não há castigo para traição, nem recompensa por lealdade? – Sansa Stark

Já no caso dos Lannister, Jaime (Nikolaj Coster-Waldau) mostra os primeiros e tímidos sinais de que pode recuperar a personalidade que a série jogou no lixo nas últimas duas temporadas ao questionar os objetivos de Cersei (Lena Headey) e finalmente se dar conta do seu nível de insanidade atual, que se acentua consideravelmente com a possibilidade de aliança com Euron Greyjoy.

Se na temporada anterior Euron passava quase despercebido, em Dragonstone Johan Philip Asbæk consegue finalmente mostrar a face mais psicótica que o Greyjoy tem nos livros e além de protagonizar uma cena fantasticamente sádica e irônica com Cersei e Jaime, promete trazer muita dor de cabeça aos aliados de Daenerys nesta temporada.

“Então aqui estou, com mil navios e duas mãos boas” – Euron Greyjoy

A Mãe dos Dragões, por sua vez, finalmente chegou a sua terra natal. Depois de anos (e de seis temporadas inteiras) finalmente vemos Daenerys (Emilia Clarke) pisar nas areias de Pedra do Dragão e entrar no castelo onde nasceu. Mas a série, infelizmente, não consegue dar todo o peso emocional de um momento tão longamente esperado. Vemos novos ângulos do castelo, temos uma tradicional frase de efeito de Dany encerrando o episódio, mas fica a sensação de que faltou alguma coisa ali. (Isso sem mencionar a inverossimilhança do castelo estar completamente abandonado).

Em seu primeiro episódio da sétima temporada, Game of Thrones mostra que ainda pode recuperar a essência mais política e imprevisível que garantiu seu sucesso e reconhecimento, mas também deixa claro que fará bastante concessões e esquecerá certas sutilezas de sua mitologia para poder fechar todas as pontas soltas. Mas se existe essa necessidade de avançar a história, é preciso que a série tome certos cuidados em relação a momentos que podem ser desnecessariamente alongados, como a rotina de Sam (John Bradley), e de outros que mereciam maior refinamento, como a chegada de Daenerys.

Mas é inegável que Dragonstone serve muito bem ao seu papel de situar o espectador acerca da posição que cada um dos jogadores da Guerra dos Tronos ocupa atualmente, e a julgar pelo crescimento de Sansa, pela jornada de Arya, pela loucura de Cersei e Euron, pelo potencial do retorno de Daenerys e pela ameaça que vem das Terras do Sempre Inverno… a temporada promete bastante. Esperamos que cumpra.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s