Muitas pessoas quando não entendem franzem a testa, mas você sorri.

Doctor Who sempre foi sobre brilho nos olhos. O encantamento diante de novos mundos e de velhos tempos sempre fez parte das aventuras do Doutor e de seus companions ao longo dos mais de 50 anos da série.

The Pilot, primeiro episódio da décima temporada da série moderna, também é sobre essa capacidade de deslumbrar-se diante do desconhecido. Uma estrela solitária está literalmente no olho de uma personagem, mas todas as estrelas do universo estão nos olhos de Bill Potts.

O episódio é sobre ela, a aguardada nova companion interpretada por Pearl Mackie. Com seu enorme e constante sorriso e seu sotaque tão inglês, percebemos logo de cara que estamos diante de uma companion divertida e cheia de vida, mas que tem seus próprios medos, anseios e sonhos, e seu próprio passado.

A garota que trabalha na cantina da universidade e assiste às aulas do Doutor mesmo sem ser aluna lembra bastante a dinâmica de companions da era Davies – época do Nono e do Décimo Doutor – quando as personagens eram figuras com as quais era mais fácil se identificar, companions mais “gente como a gente”.

Curiosa e encantada, Bill acrescenta ainda um divertido aspecto de metalinguagem ao falar sobre coisas que assistiu na Netflix e relembrar aspectos clássicos de sci-fi, deixando claro assim, a preocupação da série em se relacionar com uma nova geração de fãs.

Esses elementos de identificação e apresentação para novos espectadores ficam ainda mais evidentes quando Bill faz as perguntas e suposições óbvias de quem se depara com a Tardis pela primeira vez. “Onde fica o banheiro?” “Porque a nave é toda tecnológica e porta é de madeira? Faltou grana?” Questões que surgem naturalmente na cabeça de quem assiste Doctor Who pela primeira vez.

Nesse sentido, The Pilot se assemelha bastante com Rose, o primeiro episódio da série moderna exibido em 2005, que ao apresentar a companion, também apresenta a figura do Doutor e da série como um todo.

Em The Pilot, por exemplo, vemos que a relação do Décimo Segundo Doutor (Peter Capaldi) com Nardole (Matt Lucas) já está estabelecida numa certa “broderagem”, um elemento bem interessante se considerarmos que a presença de um companion masculino era pouco presente na série em suas temporadas mais recentes.

Também descobrimos que o Doutor hesita em se aproximar mais de Bill porque fez uma promessa de não se envolver de novo. Uma promessa que, a julgar pelos retratos que guarda em sua mesa, se baseia como sempre nas pessoas que marcaram sua vida e se foram.

As fotos de River Song e de sua neta Susan, companion de sua primeira encarnação, aquecem os corações dos whovians ao mesmo tempo em que aumentam as expectativas por mais e mais elementos da história de toda a série.

No próprio episódio, mais referências surgem com a presença de quase todas as chaves de fenda sônicas que o Doutor já usou, e com o emocionante momento em que o Doutor quase apaga as memórias de Bill e que remete imediatamente ao adeus não só da Clara, como também o da Donna. (Nunca vou superar o fim de Journey’s End. Nunca!)

Algumas referências, no entanto, são bastante subaproveitadas no episódio. É o caso da guerra entre Daleks e Movellans abordada em uma arco do Quarto Doutor e que em The Pilot aparece de modo bem rápido e desnecessário na busca por fugir do vilão do episódio.

A figura que serve de antagonismo nesse episódio de estreia da décima temporada é bastante limitada, pois serve muito mais como apoio ao desenvolvimento da Bill como personagem do que como vilão propriamente dito.

A presença de Heather (Stephanie Hyam) e da substância inteligente que assimila, no entanto é interessante não só por apresentar a homossexualidade da companion de maneira sutil mas consistente, num elemento de representatividade sempre bem-vindo. Mas também para mostrar as características e força da Bill ao assumir o protagonismo na resolução da trama ao perceber o peso e os efeitos das promessas que fazemos e que nos fazem.

Ainda que The Pilot não seja um pé na porta estrondoso como foi a estreia da nona temporada, é sim um episódio bom dentro dos padrões de Doctor. Além de fazer uma excelente apresentação de personagem, reforçando o aspecto de renovação que é a essência de Doctor Who.

Nesta temporada que é a última de Steven Moffat como showrunner e a última de Peter Capaldi como Doutor (preparem os lencinhos e os corações), o que vimos em The Pilot prepara o terreno para mistérios que devem ser resolvidos ao longo da temporada – sim, a gente quer saber o que tem naquele cofre com inscrições em gallifreyan. Mas mostra, acima de tudo, que tempo e espaço estarão refletidos no curioso olhar de Bill Potts, porque já temos na Tardis uma nova estrela em nossos olhos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s