Ela capturou um sentimento
Um céu sem telhado
O pôr-do-sol dentro de um quadro.

Embora seja uma canção linda, não foi City Of Stars que me encantou em La La Land: cantando estações. Foi com a música cantada pela personagem de Emma Stone em uma audição que finalmente compreendi a magia que envolve o filme do diretor Damien Chazelle.

Audition (The Fools Who Dream) evoca os artistas, atores, pintores e poetas que capturam sentimentos com sua loucura e seus sonhos, e condensa em seus versos o modo como a magia do cinema é mostrada com doçura e inocência ao longo do filme.

La La Land conta a história de amor da atriz Mia (Emma Stone) e do pianista Sebastian (Ryan Gosling) ao mesmo tempo em que perpassa os sonhos daqueles que almejam brilhar em Hollyhood.

Apesar da química entre os atores  – Gosling bom e Emma Stone adoravelmente ótima -,  o filme não traz grandes inovações no modo como narra o relacionamento dos jovens apaixonados, deixando claro algo que define La La Land como um todo: a atmosfera do filme importa mais que a história propriamente dita.

Com uma ambientação quase anacrônica em que celulares, computadores e alguns carros são os únicos elementos que nos tiram dos anos 1950, o filme evoca a era de ouro de Hollywood e homenageia clássicos do cinema. O vídeo abaixo reúne as referências de La La Land que vão de Cantando na Chuva a Moulin Rouge.

Toda essa nostalgia arrebata os cinéfilos  e espectadores mais saudosos do espírito clássico da sétima arte e, a julgar pelas 14 indicações ao Oscar, a Academia. Por outro lado, esse resgate de uma temática mais tradicional também pode desapontar àqueles que buscam uma história mais inovadora ou um enredo mais contemporâneo.

Todo o hype criado em torno do filme tanto aumenta a expectativa quanto causa um certo cansaço em relação a produção, e a dúvida que fica é: La La Land é tudo isso mesmo?

Depende. Se você espera uma história que acrescente elementos novos a sua visão de mundo e até mesmo a sua bagagem cinematográfica, o filme pode ser apenas ok. Se você sente saudades dos grandes musicais e das histórias mais inocentes e despretensiosas, ou se você tem uma ligação mais pessoal com os bastidores da arte e do cinema, La La Land  vai te arrebatar.

Mas se você abraçar a proposta de La La Land sem grandes pretensões ou opiniões pré-concebidas, o resultado pode ser um filme que não vai mudar sua vida e que pode até soar antiquado, mas que vai deixar a certeza de que pelo menos durante algumas horas o cinema pode te levar para um lugar mais feliz, um lugar onde os sonhos são possíveis.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s